Lúcio Mauro Filho dispensa convites no humor por novelas

Lúcio Mauro Filho tem uma longa trajetória na televisão, a maior parte dela em programas humorísticos --é só lembrar dos 14 anos em que
viveu o atrapalhado Tuco, em A Grande Família. Somando-se os personagens em Zorra Total, Chapa Quente e a ainda inédita quinta temporada da Escolinha do Professor Raimundo são 20 anos em comédias na Globo.
Neste período, o ator fez apenas pequenas participações em novelas. Pelo menos até 2017, quando ganhou seu primeiro personagem fixo em "Malhação: Viva a Diferença". Prestes a estrear em Bom Sucesso, próxima trama das 19h, ele comemora a nova fase e mais um desafio.
"Essa ida para as novelas foi uma coisa pela qual eu lutei muito. Estou no lugar onde eu queria estar, justamente por causa desse aprendizado. A gente começa a ficar com muita certeza das coisas. Cada história deve fazer o artista voltar quase à estaca zero, o mais interessante é que a gente se renove", celebra ele em entrevista ao UOL.
Logo após o fim da novela teen, Lúcio Mauro Filho conta que recebeu algumas propostas para retornar para programas de humor, mas afirma que as novelas viraram prioridade.
"Recebi convites maravilhosos da turma da comédia, que são meus contemporâneos, mas a todos eu contei dessa ida para as novelas, que na verdade é um projeto mesmo. Estou muito com vontade de aprender", explica.
Na nova trama de Rosane Svartman e Paulo Halm, ele vive Mário, um editor e tradutor de livros que se diz um "poeta boêmio", profundamente romântico. Ele é apaixonado por Nana (Fabiula Nascimento), que é filha do patrão.
"É um trabalho onde o coletivo faz a diferença. Quando o grupo está em sintonia tudo fica mais fácil. Fabiula Nascimento é a crush do personagem, estamos juntos há três anos viajando o Brasil com 5X Comédia. Que delícia poder fazer um par romântico de novela com uma atriz com quem tenho tanta química", conta.
Lúcio conta que ainda está aprendendo a fazer novelas, especialmente depois de tantos trabalhos na comédia, o que exige explorar outras potencialidades dramáticas."O comediante naturalmente traz um monte de truques pra resolver o personagem e acabar se mantendo em uma zona de conforto. Essa ida para as novelas me traz esse dever de casa, de buscar um novo jeito de fazer. Comecei a perceber que na linha de shows, nos humorísticos, não evoluiria tanto quanto se estivesse nas novelas".
Em Bom Sucesso, ele atuará ao lado de veteranos nas novelas, como Antonio Fagundes, com quem trabalhou em sua participação em A Viagem (1994). Já em Malhação, Lúcio dividiu cenas com atores que estavam iniciando a carreira. Para o ator, as duas experiências são igualmente enriquecedoras.
"Aprendi muito com a galera de Malhação. Lá eu era o veterano. Minha função era de um exemplo a ser seguido, então era importante que eu desse o tom do set, um tom amoroso.
Ao mesmo tempo aprendi com eles muita coisa, de linguagem, de estilo de interpretação, que hoje em dia é mais despojado, menos carregado", avalia.
"Da mesma forma em Bom Sucesso tenho a oportunidade de trabalhar com atores como, imagina, o Antonio Fagundes! É uma profissão muito bonita, você pode aprender até o final da sua vida. Resta saber se você quer aprender. Eu quero".

Nenhum comentário